Bolsas para a escola de inverno “A descoberta da modernidade” da Universidade de Viena

A escola se localiza em Viena, onde ainda são visíveis vestígios da cultura marcante do final do século XIX e início do século XX. O programa de duas semanas combina cursos acadêmicos de primeira classe com um extenso programa social e cultural. A rica herança cultural de Viena, especialmente os museus, levará a uma compreensão completa da contribuição do fin-de-siècle para a modernização da Europa.

Esse programa único consiste em palestras de alto nível pela manhã e excursões guiadas na cidade de Viena, bem como visitas a vários museus à tarde. Fora da estrutura das aulas, Viena oferece muitas oportunidades para explorar outras atrações culturais e históricas.

O ambiente acadêmico do curso incentiva o intercâmbio intercultural e social e favorece o entendimento mútuo entre a população estudantil internacional. Assim, os participantes ampliam seus horizontes, conhecem colegas de diferentes áreas de estudo, fazem amigos para a vida e constroem conexões para suas futuras carreiras profissionais.

Existe um vídeo para oferecer algumas impressões do univie: escola de inverno. Por favor, clique aqui para ter acesso ao material.

Dado o aspecto intercultural e interdisciplinar do programa, nossas ofertas de cursos são, sem dúvida, de interesse para estudantes de todas as áreas de estudo.

Para informações mais detalhadas sobre a universidade: escola de inverno para estudos históricos culturais, visite nossa página clicando aqui.

Também existe a possibilidade de acessar as bolsas. Para mais informação é só clicar aqui. O prazo de inscrição para a escola de inverno é 30 de novembro de 2022.

Simpósio “Elaboração de material didático para o ensino de alemão no Brasil”

O evento organizado pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPR e pelo ISF (Idioma sem Fronteiras) em parceria com o Centro Austríaco acontecerá na UFPR nos dias 24 e 25 de outubro de 2022.

Em sua grande maioria, os livros didáticos que usamos no ensino de alemão no Brasil são importados da Alemanha e foram produzidos para aprendizes no mundo todo. Nem sempre atendem da melhor forma possível as necessidades do nosso contexto de ensino aqui no Brasil. Diante disso, nos últimos anos, alguns especialistas de instituições brasileiras de ensino têm começado a produzir material próprio e diferenciado que consideram mais adequado para o público do nosso país ou para grupos ainda mais específicos (por exemplo, discentes universitários, crianças etc.).

Nesse simpósio, serão apresentados projetos de produção de material didático atualmente em desenvolvimento em instituições de pesquisa no Brasil. O simpósio será uma oportunidade de conhecer esses projetos e suas propostas, conversar com os autores e as autoras e discutir com especialistas, professores e professoras de alemão sobre como produzir, avaliar e eventualmente adaptar material didático para cada contexto específico.

O evento será presencial, a participação é gratuita e os participantes com inscrição terão direito a certificado.

Mais informações sobre horários, salas e programação em anexo aqui.

Inscrições pelo site do Centro Austríaco até 21 de outubro: formulário de inscrição.

Conversa com a autora Melanie Laibl já está disponível no YouTube do Centro Austríaco

Já está disponível no YouTube do Centro Austríaco a conversa “Kinderliteratur: Lust auf Sprache wecken”, com Melanie Laibl. Durante a conversa, a autora austríaca de livros infantis nos conta como combinar imaginação e conhecimento de forma a despertar o interesse das crianças em aprender alemão e conhecer o mundo. Ela também fala sobre seu trabalho como escritora. Seus contos de linguagem lúdica já receberam diversos prêmios, incluindo o Prêmio de Literatura Infantil da Cidade de Viena e o Prêmio do Livro de Ciências na categoria Conhecimento Júnior. É possível ver mais informações sobre a autora e seus contos em seu site clicando aqui.

Aprender e ensinar línguas a partir de uma perspectiva neurobiológica: conselhos e curiosidades

Como a interação entre as pessoas influencia o aprendizado de idiomas? Como aprendemos melhor? A linguista Marion Grein, da Universidade Gutenberg, em Mainz, esclarece essas dúvidas com base em estudos neurobiológicos.

jannoon028, Medical background, Crumpled paper brain shape with copy space for text or design. Disponível em: <a href=’https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/mente’>Mente foto criado por jannoon028 – br.freepik.com</a>.

O cérebro processa informações por meio de sinais elétricos: imagens, sons e outras percepções são convertidas em impulsos elétricos. Quando fazemos algo, certas áreas do cérebro são ativadas e consomem energia que chega aos neurônios, que podem ser localizados por meio de ressonância magnética funcional. O aprendizado da perspectiva neural acontece quando populações de neurônios são produzidas, cada neurônio pode ter até 10.000 conexões sinápticas. Nessas redes neurais está o nosso conhecimento, que muda à medida que aprendemos novas informações. Isso se chama elasticidade. Após 20 minutos de treinamento de algo, é fácil que novas conexões e redes neurais ocorram. No entanto, se esse conhecimento não for ativado por uma semana, ele será excluído. A repetição através de diferentes formas de aprendizagem é necessária. Um exemplo seria praticar um idioma por vinte minutos. No dia seguinte, quase não há vestígios do que foi aprendido. Portanto, a prática diária regular dá melhores resultados do que praticar uma vez por semana intensamente e pausar por uma semana inteira.

Há certas vantagens quando se está reaprendendo algo: se, por exemplo, uma língua que não era praticada há anos e é “ativada” novamente pela prática, o aprendizado pode ocorrer mais rapidamente. No entanto, se algo não foi treinado por dez anos, pode ser que essa informação tenha sido completamente apagada.

A aprendizagem também é influenciada pela forma como o sistema límbico percebe o que estamos aprendendo, medindo sua relevância. É fundamental para a aprendizagem e é governado por emoções conscientes e inconscientes. Se, por exemplo, em uma aula de idiomas a voz do professor for monótona e chata, o sistema límbico classificará a informação como irrelevante, por mais motivado que o aluno tente ser.

Outros fatores que influenciam a aprendizagem são a simpatia pelo professor, elogios, movimentação física, curiosidade e vontade de agir e a duração da atividade. Geralmente, o tempo de atenção é bem mantido, dependendo da idade, entre 8 e 25 minutos. Portanto, é importante variar os exercícios depois de um tempo. A ocitocina, que é o “hormônio da ligação”, é fundamental para a motivação e é dada por meio de afeto, apreciação e demonstrações de apreciação.

Outro fator a ter em conta: quando começamos a aprender uma segunda língua, ativamos o vocabulário da nossa primeira língua. À medida que avançamos no domínio de uma língua estrangeira, o cérebro suprime essa ativação. Portanto, não é aconselhável nas aulas iniciais de uma língua excluir totalmente o uso da primeira língua, pois integrá-la é um processo natural e necessário nesta fase da aprendizagem.

É igualmente aconselhável que existam vários canais de aprendizagem e não apenas um, desde que não haja uma sobrecarga de informação. Há, por exemplo, estudos que mostram que quanto mais você usar gestos ao aprender algo, melhor será armazenado na memória de longo prazo. Caso sejam utilizadas imagens em sala de aula, é importante que os alunos se identifiquem com a faixa etária mostrada na imagem. Além disso, em atividades autênticas de conscientização auditiva, deve-se tomar cuidado para não sobrecarregar o aluno com muitas informações novas. A regra é: não mais do que 10% de novas informações. Caso contrário, os alunos se sentirão sobrecarregados cognitivamente. Para evitar certas sobrecargas cognitivas, pode ser uma estratégia para facilitar um exercício concentrar-se apenas em um aspecto e não em muitos simultaneamente. No entanto, a neurociência tornou verificável que cada aluno é individual e, portanto, não há e não pode haver um único método de ensino. Portanto, o mesmo método pode produzir uma reação contraproducente em um aluno, enquanto produz um efeito positivo no outro.

Se você quiser saber mais sobre esses tópicos, recomendamos o site da Profa. Dra. Marion Grein. Clique aqui: https://marionneurodidaktik.wordpress.com