Oficina “Die Plurizentrik der deutschen Sprache und sprachliche Charakteristika des österreichischen Deutsch” está disponível no YouTube do Centro Austr´íaco

A oficina “Oficina “Die Plurizentrik der deutschen Sprache und sprachliche Charakteristika des österreichischen Deutsch”, com Camila Meirelles, está disponível no YouTube do Centro Austríaco. O evento apresentou o aspecto pluricêntrico da língua alemã e ressaltou como é importante lidar com essa diversidade na aprendizagem e no ensino do idioma.

As atividades do Centro Austríaco recebem apoio da Universidade Federal do Paraná, do Setor de Humanas da UFPR, do Departamento de Polonês, Alemão e Clássicas da UFPR, do Programa de Pós Graduação em Letras-UFPR, da Embaixada da Áustria em Brasília, do Consulado da Áustria em Curitiba, da Agência Brazil Way e patrocínio da Referência Rent a Car. 

Centro Austríaco e Embaixada da Áustria promovem evento sobre Maria Leopoldina na Semana da Língua Alem˜ã

No ano de 2022 comemoramos o Bicentenário da Independência do Brasil, que está intimamente ligado à vida de Maria Leopoldina Carolina Josefa de Habsburgo-Lorena, filha do imperador Francisco I da Áustria e de sua segunda esposa, a princesa Maria Teresa de Nápoles e Sícilia. Chegou ao Rio de Janeiro em 1817 para se casar com Dom Pedro I ,com quem teve vários filhos, incluindo o depois imperador Dom Pedro II. Conhecida como Dona Leopoldina, foi a primeira Imperatriz Consorte do Império do Brasil de 1822 até sua morte. 

A educação que Leopoldina recebera durante sua infância e adolescência era eclética e ampla, de nível cultural superior, incluindo uma formação política consistente. Além de mãe e imperatriz, Leopoldina foi também responsável pela vinda de vários cientistas austríacos e alemães ao Brasil, onde realizaram expedições e viagens por todo país, realizando pesquisas sobre suas populações e culturas, sua flora e fauna. Muitos dos objetos colecionados e enviados a Viena naquela época podem ser vistos hoje no Museu de História Natural (NHM) e no Museu do Mundo (Weltmuseum) na capital austríaca, Viena. Além disso, Leopoldina é considerada por muitos historiadores como a principal articuladora do processo de Independência do Brasil, ocorrido entre 1821 e 1822, principalmente em setembro de 1822: a mulher que arquitetou a Independência do Brasil. Foi graças a ela que o Brasil se tornou uma nação.

No nosso evento, acompanhamos Leopoldina durante os anos que passou no Brasil. Convidamos especialistas para conversar sobre sua vida, sua morte precoce, seu papel na política e nas ciências brasileiras. Além disso, aproveitamos o momento para apresentar um material didático para o ensino de alemão (nível A1), desenvolvido no âmbito do Centro Austríaco e que tem como tema justamente a vida de Leopoldina e suas experiências no Brasil. Com esse material, nossos alunos e nossas alunas podem não apenas aprender o idioma alemão, mas também conhecer um pouco melhor um momento histórico que uniu o Brasil e a Áustria. 

Com participação de Christa Riedl-Dorn, historiadora de ciências. Riedl-Dorn estudou história na Universidade de Viena/Áustria com uma combinação de várias disciplinas diferentes. Foi Diretora do Departamento de Arquivo de História da Ciência no Museu de História Natural de Viena até 2020. Foi autora de mais de 300 publicações incluindo mais de 10 livros, como “Johann Natterer und die österreichische Brasilienexpedition” (2000, 1999) e “Botânica Imperial no Brasil/Imperial Botany in Brazil” (2019). Curadora de mais de 150 exposições e contribuiu para inúmeros documentários de rádio e televisão sobre temas relacionados à história da ciência, além de realizar inúmeros cursos na Volkshochschule (Academia popular). Recebeu o título de professora acadêmica em 2008. Membro de várias sociedades científicas europeias.

O evento será em português e as falas em alemão contarão com tradução para o português. O evento será realizado via Zoom, no dia 15 de junho, das 14h30 às 16h30 e haverá certificação para participantes. Clique aqui para se inscrever.

Centro Austríaco convida a crítica literária Daniela Strigl para uma conversa durante a Semana da Língua Alemã

O Centro Austríaco convida todos e todas para uma conversa com a crítica literária austríaca Daniela Strigl, que falará sobre variação linguística e dialetos na literatura austríaca, trazendo como exemplo autores como Johann Nestroy, Arthur Schnitzler, Thomas Bernhard, Elfriede Jelinek, Wolf Haas, Elfriede Gerstl e Clemens Setz. Strigl aborda também como essa “teimosia linguística” tem um potencial subversivo, satírico e cômico.

Daniela Strigl é germanista, professora da Universidade de Viena e uma das críticas literárias mais renomadas da Áustria, autora de vários livros (por exemplo, sobre Theodor Kramer, Marlen Haushofer e Marie von Ebner-Eschenbach) e de inúmeras resenhas literárias nos principais jornais do país. Faz parte de diversas júris literárias, como do Prêmio da Feira de Literatura de Leipzig ou do Ingeborg-Bachmann-Preis (2003-2014). 

A conversa será realizada via Zoom no dia 14 de junho, às 14h30 (horário de Brasília). O evento faz parte do Foco Temático 2022 do Centro Austríaco: A língua alemã na Áustria, e da Semana da Língua Alemã 2022. Clique aqui para fazer sua inscrição no evento.

As atividades do Centro Austríaco recebem apoio da Universidade Federal do Paraná, do Setor de Humanas da UFPR, do Departamento de Polonês, Alemão e Clássicas da UFPR, do Programa de Pós Graduação em Letras-UFPR, da Embaixada da Áustria em Brasília, do Consulado da Áustria em Curitiba, da Agência Brazil Way e patrocínio da Referência Rent a Car. 

Centro Austríaco lança novo material didático sobre diversidade linguística da língua alemã

O Centro Austríaco lança mais um material didático: o “Eine Sprache, viele Länder“, assinado por Camila Meirelles. Com a proposta de debater a diversidade linguística para o nível A1, o material está disponível gratuitamente em nosso site e é acompanhado por indicações aos professores.

A unidade didática “Eine Sprache, viele Länder” tem como tema a diversidade linguística do alemão. Juntamente com o objetivo de revisar os nomes em alemão de países e línguas, o objetivo cultural da unidade é a reflexão sobre a diversidade linguística do alemão, sensibilizando os aprendizes para o fato de que o alemão não é uma língua homogênea. Voltada para o nível A1, a unidade apresenta alguns exemplos de variação lexical e faz um paralelo com outras línguas, como por exemplo o português. Apesar disso, o foco não é a aquisição de competência linguística nas diferentes variedades do alemão, mas sim uma conscientização em relação à variação, iniciando assim o contato com essa diversidade.

Camila Meirelles é doutoranda em  Estudos Linguísticos pela UFPR. Se interessa por pesquisar o pluricentrismo da língua alemã e a formação de professores de alemão.

Confira o material:

Material didático “Eine Sprache, viele Länder”
Informações para professores

No Centro Austríaco, produzimos materiais didáticos sobre diversos temas atuais, interessantes e relevantes que dizem respeito à Áustria, sua língua e sua(s) cultura(s). Queremos produzir material que possa ser usado no ensino de alemão já nos níveis iniciais (a partir do nível A1), pois acreditamos que o ensino de uma língua não é apenas uma questão de gramática – junto com uma língua, podemos aprender muito sobre outros países, pessoas e histórias. 

Todo o material desenvolvido pelos integrantes do Centro Austríaco será testado em sala de aula antes de ser disponibilizado aqui no site. O material pode ser usado sem custo em sala de aula por todos os interessados e vem acompanhado de dicas didáticas para professores que ensinam alemão como língua estrangeira no Brasil e que querem levar um pouco da Áustria para dentro das salas de aula.

Clique aqui para conhecer o projeto acadêmico que embasa a produção de atividades o âmbito de Ensino de Alemão como Língua Estrangeira e aqui para ver outros materiais já produzidos pelo Centro Austríaco.

Oficina do Centro Austríaco aborda Pluricentrismo na Língua Alemã

A diversidade linguística da língua alemã é indiscutível: são três variedades padrão e outras tantas variedades regionais, fazendo com que seja uma língua pluricêntrica. Lidar com esta diversidade é importante tanto para a aprendizagem como para o ensino do idioma.

Nesta oficina aprenderemos mais sobre os idiomas pluricêntricos e a variação, a fim de nos familiarizarmos mais com a diversidade do idioma alemão. Para isso, vamos analisar mais de perto algumas características do alemão austríaco.

A oficina será ministrada por Camila Meirelles, estudante de doutorado em Estudos Linguísticos pela UFPR. Seus interesses de pesquisa são o pluricentrismo do idioma alemão e o treinamento de professores de alemão.

Clique aqui para se inscrever.

Leitura e conversa online com a autora Maddalena Fingerle sobre escrita e alemão no Tirol do Sul

Convidamos cordialmente todos os interessados ​​a participar do evento com a autora italiana Maddalena Fingerle de Bozen para falar sobre escrita criativa em seu romance Lingua Madre e alemão no Tirol do Sul.

Fingerle ganhou o renomado Prêmio Italo Calvino de Literatura com seu romance, que revela a ambiguidade e a hipocrisia que a linguagem pode esconder. A obra se passa no Tirol do Sul, região onde tanto o alemão quanto o italiano são línguas oficiais. Embora o protagonista Paolo cresça bilíngue, ele não percebe nenhuma dessas línguas como “materna”. Isso o leva a buscar uma língua “pura” e uma identidade própria entre culturas, línguas e lugares. A autora, que nasceu em Bozen, estudou na Universidade Alemã e Italiana de Munique.

Este evento é organizado pela Universidade de Milão e pela OeAD (Austrian Agency for Education and Internationalization). O evento acontecerá nesta segunda-feira, 2 de maio, às 9h30 (horário de Brasília), na plataforma Teams. Saiba mais sobre a autora aqui.

Conferência online sobre literatura queer na Áustria com Veit Schmidt

Quando a literatura é considerada queer? Que linhas temáticas podem ser encontradas na literatura gay e lésbica mais antiga? Estas são algumas das questões centrais que serão abordadas na conferência com Veit Schmidt. Juntamente com Jürgen Ostler, Schmidt dirige a livraria Löwenherz em Viena, especializada em literatura lésbica, gay, trans, inter, bissexual e queer. Esta livraria oferece a maior variedade de literatura não heteronormativa da Europa. A conferência apresentará exemplos de literatura ficcional queer da Áustria. Este evento será organizado pela Biblioteca Austríaca de Cluj, em colaboração com a livraria Löwenherz em Viena e o Fórum Cultural Austríaco em Bucareste.

Será na terça-feira, 3 de maio, às 14h (horário de Brasília) pelo Zoom.

Clique aqui para acessar a reunião:

hPps://bit.ly/362dA23
ID da reunião: 695 8291 3278
Código de identificação: 777894

Se você tiver dúvidas sobre o evento, entre em contato com o leitor da OeAD (Austrian Agency for Education and Internationalization) em Bucareste, Kerstin Katzlberger: kerstin.katzlberger@ubbcluj.ro

A morte do artista e ativista Willi Resetarits deixa buraco na alma da música austríaca

O músico Willi Resetarits, mais conhecido por seu nome artístico Ostbahn Kurti, morreu aos 73 anos em um acidente ao cair da escada de sua casa no último domingo, 24 de abril. Por mais de 50 anos, ele celebrou grandes sucessos no cenário musical austríaco. Resetarits foi desde o início não só fiel à música, mas também aos seus ideais, atuando como ativista e criando várias instituições como, entre outras, a Vienna Integrationshaus e a fundação SOS Mitmensch.

By Manfred Werner (Tsui) – Own work, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2397693

Nascido em 1948 de pais croatas em Burgenland, chegou a Viena com apenas 3 anos de idade. Lá ele aprendeu alemão e estudou educação física e inglês por um tempo, apesar de gostar de música desde cedo. Sua primeira banda política, Butterflies, estava em sintonia com o movimento hippie da época, abordando questões sociais e oferecendo muitos shows beneficentes. Sua maior fama foi alcançada ao recriar um personagem fictício em uma nova banda, a “Ostbahn Kurti”. “Ostbahn Kurti” foi um personagem teatral do autor austríaco Günter Brödl, que representou uma figura quase lendária do Rock’n Roll. Resetarits, o novo “Kurti”, traduziu clássicos americanos do rock e do soul para o dialeto vienense. Com a autenticidade de suas letras, sua paixão pela música e seu carisma, conquistou o coração de muitos ouvintes.

Apesar de ter se aposentado em 2000, o Resetarits não deixou de ser ativo: na noite anterior à sua morte, ele se apresentou no Refugee Bail. “Sua autoridade era o humanismo, não a idade ou o sucesso” cita o jornal Standard, e isso se reflete sem dúvida em sua jornada de vida, que ficará para sempre na memória musical coletiva da Áustria. Este homem multifacetado é um exemplo de pessoa que alcançou a excelência não só na área profissional, mas também na sua responsabilidade social e humanitária e em saber levar um sorriso a cada pessoa com quem partilhou suas histórias.

Conheça alguma de suas músicas:

O que os porcos e os orixás têm a ver com a pandemia? Covid-19 segundo Elfriede Jelinek

Em setembro de 2021 estreou no Akademietheater de Viena a peça “Lärm. Blindes Sehen. Blinde sehen!” [Barulho. Visão cega. Os cegos veem!], a peça mais recente de Elfriede Jelinek. O tema é a pandemia de Covid-19 e – como sempre – Jelinek o aborda com seu modo e estilo bem peculiar. O termo “Lärm” [barulho] do título pode ser entendido como uma alusão ao barulho mediático do mundo atual, ao barulho que qualquer pessoa é capaz de causar no universo digital e/ou político através de notícias irrelevantes, mentirosas, falsas etc.

Como em todas suas peças teatrais, há diversas relações intertextuais com outras obras literárias. Neste caso, por exemplo, com a Odisseia de Homero, onde, em determinado momento, os companheiros de Odisseu são transformados em porcos. Na peça de Jelinek, a imagem do porco está presente e alude à pandemia, à questão se o ser humano não estaria se transformando em ou se comportando como um porco, mas também deixando espaço para associações individuais dos espectadores. 

O responsável pela encenação no Akademietheater foi o diretor alemão Hans Castorf, famoso pelo uso criativo das novas tecnologias no palco. O resultado cênico é impactante, uma montagem de quatro horas de duração, com forte impacto auditivo e visual. Veja o trailer da montagem:

Se o figurino parece algo familiar, não é de se admirar: a responsável é a brasileira Adriana Braga Peretzki, que se inspirou no universo visual dos orixás brasileiros para vestir os atores e as atrizes da peça jelinekiana. Veja uma entrevista com a figurinista aqui:

Recomendamos também olhar o trailer de outra montagem da mesma peça, no Deutsches Schauspielhaus Hamburg, para conferir como um mesmo texto teatral pode resultar em montagens muito diferentes: