II Simpósio de Tradução Teatral: “O tradutor de teatro em questão: agência criativa, política e artística”

Traduzir não é uma atividade neutra. A tradução nunca é “fiel” ao texto de partida, mas sempre à leitura que o tradutor ou a tradutora faz de algum texto “original”. E essa leitura depende fortemente do contexto histórico, político, ideológico em que se insere a pessoa incumbida com um projeto tradutório. Como bem lembra o estudioso e crítico de teatro Mark Fortier, “ignorar a posição de onde alguém fala tornou-se algo ingênuo” (2002, p. 13, tradução nossa). Partindo dessa premissa, o II Simpósio de Tradução Teatral pretende refletir, discutir e repensar os possíveis papéis de tradutores de teatro na cadeia interpretativa do mundo teatral. Como tradutores de teatro posicionam-se ou como são posicionados, no âmbito de seu trabalho e/ou na encenação de uma peça traduzida? Que tipos de envolvimento tradutores de teatro tem, em seu contexto, com o grupo teatral? Há remuneração pela tradução? Traduz-se por afinidade com o assunto, texto de partida ou dramaturgo ou dramaturga? Traduz-se para sobreviver? Como passatempo? Como forma de militância política? Para fins acadêmicos ou comerciais? Sob pressão de tempo ou até sob algum tipo de censura? Sozinho ou em formato colaborativo? E, afinal, como esses fatores influenciam o processo e o produto da tradução? Com essa chamada, buscamos contribuições que reflitam sobre as condições, liberdades e restrições envolvidas na tradução de teatro para além das questões que se referem aos níveis micro e macrotextual do texto teatral.

O evento com palestras, apresentações e oficinas dará continuidade às conversas realizadas no âmbito do I Simpósio de Tradução Teatral, que ocorreu em 2020 na UFSC de forma virtual, sob o título “A tradução teatral em questão: a diversidade na teoria, nos métodos e na prática”.

O evento acontecerá na UFPR nos dias 6 e 7 de fevereiro de 2023, para participar com uma apresentação é preciso mandar resumo da proposta até 31 de dezembro de 2022 para ambas as organizadoras Ruth Bohunovksy (ruth.bohunovsky@gmail.com) e Alinne Fernandes (alinne.fernandes@ufsc.br). Os resumos deverão ter um título, tamanho de 150 a 200 palavras e vir acompanhados de 3 a 5 palavras-chave. As apresentações serão de 15 a 20 minutos, dependendo do número de participantes. Proponentes receberão uma resposta de aceite ou recusa até o dia 8 de janeiro de 2023.

Para participar como ouvinte a inscrição deve ser feita pelo site do Centro Austríaco até 03 de fevereiro de 2023: formulário de inscrição.

Acesso à chamada aqui.

Lançamento: Uma festa para Boris, de Thomas Bernhard, em tradução brasileira

Demorou, mas chegou: mais uma tradução de uma peça de Thomas Bernhard: “Uma festa para Boris”.

Depois de “O presidente”, publicada em 2020 numa tradução de Gisele Eberspächer e Paulo Rogério Pacheco Júnior, a peça que acabou de chegar à livraria da UFPR é a segunda que foi traduzida por membros do Centro Austríaco (Hugo Simões e Luiz Abdala Jr.). Escrita e estreada em Salzburg em 1970, é a primeira grande peça do dramaturgo austríaco, está presente nos palcos europeus até hoje e contém tudo que torna a escrita literária e dramatúrgica do autor polêmico tão inconfundível: une o trágico com o cômico, o grotesco com o filosófico, um humor sombrio e um ritmo único na linguagem, manias monológicas das personagens centrais e relações humanas marcadas pelo cinismo, a crueldade e a incompreensão mútua, mas também pelo absurdo e o medo inerente à existência humana.

Como todas as peças de Thomas Bernhard (que, frequentemente, é comparado com Beckett e Sartre), “Uma festa para Boris” não se destaca pela ação, pelo enredo, mas pelas falas de teor existencialista, pela ironia e pelo olhar satírico e cruel sobre a sociedade contemporânea. A personagem central se chama a Bondosa, mas tudo o que lhe falta é a bondade. A peça apresenta os preparativos e a festa de aniversário que ela organiza para seu marido, Boris – que, assim como sua esposa e os outros 13 moradores do “Asilo de Aleijados”, não tem pernas e se locomove em uma cadeira de rodas. E, como sempre, o final é bernhardiano.

Além da tradução completa da peça, o livro traz um prefácio do encenador teatral, músico e mediador de literatura Flávio Stein, um posfácio de Manfred Mittermayer, especialista na obra de Bernhard e coordenador do Arquivo Literário de Salzburg, além de textos introdutórios de Helmut Galle (USP) e do tradutor e escritor Antônio Xerxenesky.

Com as festividades natalinas chegando, nada melhor do que presentear alguém com um livro que pode render um bom assunto para a ceia de Natal!

Acesse o site da editora clicando aqui.

As apresentações do simpósio “A Elaboração de Material Didático para o Ensino de Alemão no Brasil” estão disponíveis no YouTube

As gravações das apresentações do simpósio “A Elaboração de Material Didático para o Ensino de Alemão no Brasil” que aconteceu nos dias 24 e 25 de outubro já estão disponíveis no canal do YouTube do Programa de Pós-graduação em Letras da UFPR. O evento teve a participação de profissionais da área e interessados que viajaram de diversas cidades brasileiras para participar do simpósio, organizado principalmente pelos professores Thiago Marino e Ruth Bohunovsky da Universidade Federal do Paraná.

Na abertura, também participaram Ricardo Marcelo Fonseca, reitor da UFPR, Judith Schildberger, ministra conselheira da embaixada austríaca, Denise Abreu e Lima (UFSCAR), coordenadora nacional da Rede Andifes Idiomas Sem Fronteiras e Jochen Hellmann, diretor do DAAD no Brasil.

Para acessar as gravações clique aqui.

E para saber mais sobre como foi o evento clique aqui.

Centro Austr´íaco lança material sobre escritor Peter Handke

O Centro Austríaco lança um novo material sobre a obra de Peter Handke no Brasil. A pesquisa foi feita pela aluna de Iniciação Científica Helena Nazareno Maia e conta com um levantamento das suas obras publicadas no Brasil e sua recepção em ambientes acadêmicos e midiáticos. Veja mais aqui.

Peter Handke é um romancista, dramaturgo, poeta e roteirista austríaco, premiado com o Nobel da Literatura em 2019. Nascido em Grippen, uma pequena cidade no sul da Áustria, sua carreira literária se iniciou no ano de 1964, quando, estudante de direito em Graz (Áustria), tornou-se membro do grupo literário Grazer Gruppe – do qual Elfriede Jelinek e Wolfgang Bauer também foram integrantes. Apesar do sucesso comercial e crítico nos anos seguintes, sua imagem publica foi abalada quando, na década de noventa, ele se posicionou ao lado do governo sérvio durante a Guerra na Iugoslávia. Hoje o autor vive relativamente isolado das mídias e notícias, residindo em Chaville, na França, desde 1990. A prática de responder às críticas por meio de longos ensaios ou livros continua a ser adotada por ele, que, no entanto, tem-se dedicado a uma poética cada vez mais introspectiva.

A publicação faz parte de um projeto do Centro Austríaco de divulgar e traduzir (integralmente ou pelo menos em parte) textos dramáticos de língua alemã. Nosso objetivo é apresentar dramaturgos (sobretudo) do teatro austríaco (modernos e contemporâneos), com a disponibilização de informações relevantes a respeito de suas vidas e em especial de suas obras dramatúrgicas. Saiba mais sobre o projeto aqui e conheça os demais materiais já publicados: Wolfgang Bauer, Thomas Bernhard e Elfriede Jelinek.

Embaixada do Brasil na Áustria lança antologia de contos brasileiros com tradução em alemão

A Embaixada do Brasil em Viena lançou, no dia 10 de novembro de 2022, a antologia Contos do Brasil/Erzählungen aus Brasilien. A obra, que conta com 81 contos de 25 autoras e autores e suas traduções para o alemão, é feita em comemoração dos 200 anos da Independência do Brasil. 

O projeto de publicação dos dois volumes foi feito em parceria com a Universidade de Viena, representada pelas professoras Alice Leal e Carolina Borges, do Centro de Estudos da Tradução, e Kathrin Sartingen e Melanie Strasser, do Instituto de Letras Românicas. 

O projeto contou também com a participação de 40 tradutores de várias nacionalidades. Entre este grupo, estavam dois membros do Centro Austríaco: Angélica Neri e Luiz Abdala Jr., que fizeram as traduções de contos em um formato colaborativo com falantes nativas do alemão.  

Estudo e bolsas na Áustria: Informações, prêmios & conversa com bolsistas

Localizada no coração da Europa, a Áustria oferece uma grande variedade concentrada em uma pequena área. Os alunos que já estudaram na Áustria concordam que o país oferece grande riqueza e diversidade cultural, bem como uma experiência social inesquecível para estudantes internacionais.

Neste evento online, que acontecerá no dia 28 de novembro às 17:30 (horário de Brasília), os participantes poderão falar diretamente com bolsistas e ex-bolsistas sobre sua experiência na Áustria, além de receber informações gerais sobre bolsas e oportunidades de estudo na Áustria.

É uma excelente oportunidade para esclarecer dúvidas sobre o processo de inscrição, tipos de bolsas e como obtê-las, e conversar com eles sobre sua experiência. Além disso, haverá uma variedade de prêmios para os participantes que responderem corretamente ao nosso Quiz de Palavras em Alemão Austríaco. 

Com este programa, o Centro Austríaco apresenta seu último evento do foco temático do ano “Língua alemã na Áustria: falar, escrever e ensinar a diversidade linguística do alemão”. Estamos ansiosos para vê-los lá!

Clique aqui para se inscrever.

Quem é Elfriede Jelinek? Saiba mais sobre a autora em novo material do Centro Austr´íaco

O Centro Austríaco lança um novo material sobre a obra de Elfriede Jelinek no Brasil. A pesquisa foi feita pelo aluno de Iniciação Científica Alisson Guilherme Ferreira e conta com trechos traduzidos da obra da escritora austríaca, assim como um levantamento das suas obras publicadas no Brasil e sua recepção em ambientes acadêmicos e midiáticos. Veja o material aqui.

Nobel de Literatura de 2004, Jelinek se destaca como um dos grandes pilares do teatro austríaco, com peças inteligentes e provocativas, na mesma medida que sagazes e cômicas, partindo muitas vezes de acontecimentos e tragédias da vida real para gerar reflexão sobre gênero, classe, política etc., em que os temas nunca se esgotam, mas se desdobram num macramê linguístico.

A publicação faz parte de um projeto do Centro Austríaco de divulgar e traduzir (integralmente ou pelo menos em parte) textos dramáticos de língua alemã. Nosso objetivo é apresentar dramaturgos (sobretudo) do teatro austríaco (modernos e contemporâneos), com a disponibilização de informações relevantes a respeito de suas vidas e em especial de suas obras dramatúrgicas. Saiba mais sobre o projeto aqui e conheça os demais materiais já publicados: Wolfgang Bauer e Thomas Bernhard.

Simpósio “A elaboração de material didático para o ensino de alemão no Brasil”

Nos dias 24 e 25 de outubro aconteceu o simpósio sobre a elaboração de material didático para o ensino de alemão no Brasil. Profissionais da área e interessados viajaram de diversas cidades brasileiras para participar desse evento único, organizado principalmente pelos professores Thiago Mariano e Ruth Bohunovsky da Universidade Federal do Paraná.

Na abertura, também participaram Ricardo Marcelo Fonseca, reitor da UFPR, Judith Schildberger, ministra conselheira da embaixada austríaca, Denise Abreu e Lima (UFSCAR), coordenadora nacional da Rede ANDifes Idiomas Sem Fronteiras e Jochen Hellmann, diretor do DAAD no Brasil. A introdução do evento enfatizou a importância desse tipo de projetos, que contribui para a formação de professores, a democratização do ensino e promove o intercâmbio internacional, além de incentivar a educação sobre a diversidade cultural linguística.

Após a abertura, Poliana Arantres (UERJ) tomou a palavra, enfatizando o problema dos livros didáticos que representam dispositivos de poder e a necessidade de uma análise crítica deles. Os livros didáticos alemães são muitas vezes produzidos fora do país por uma equipe de especialistas dentro do contexto europeu, elaborados com conteúdo que não leva em conta a realidade específica de contextos específicos fora da Europa e muitas vezes cai em clichês e estereótipos ao tentar representar conteúdo cultural. A ausência de livros didáticos críticos, a homogeneização e a falta de investimento na representatividade das comunidades brasileiras, que, portanto, não se identificam com os temas, são alguns dos problemas centrais. Portanto, há uma necessidade política de desmantelamento e atividades mais contextualizadas com princípios claros, como espaço de crítica, produção coletiva, representação discursiva e multilíngue, quebra do mito monolíngue e desconstrução de clichês. 

O projeto editorial Zeitgeist com interface digital também foi introduzida pela professora Dörthe Uphoff (Universidade de São Paulo). Os cinco pontos de partida deste projeto abordam a missão do CEL_Unicamp, que busca acima de tudo promover a formação de pessoas críticas em realidades multiculturais e o respeito à diversidade linguística e cultural. Outros aspectos centrais para a criação do material são a inclusão de textos autênticos desde o início, o uso do português como língua de mediação e a promoção da autonomia segundo a concepção freiriana, entre outros.

Da mesma forma, ocorreu a apresentação do Centro Austríaco e seu projeto de produção de material didático, liderado por Ruth Bohunovsky, a aluna Alessandra Freitas mostrou um exemplo específico do material produzido sobre a cantora Conchita Wurst, disponível aqui. Esse projeto conta com o apoio da OeAD, Agência Austríaca para a Educação e Internacionalização e, portanto, também com a leitora da OeAD, Cristina Rettenberger. A OeAD possui sua própria plataforma online gratuita para materiais didáticos e eventos de formação online para professores nesta página: kulturundsprache.at.

Além disso, o evento contou com a presença da leitora do DAAD Sabine Reiter (UFPR), que apresentou a iniciativa e necessidade do desenvolvimento de um banco de dados de materiais didáticos para o ensino de alemão nas escolas brasileiras, para que os professores possam preparar suas aulas individualmente tendo acesso gratuito a essa plataforma. Dado o crescente interesse pela língua alemã cada vez mais por jovens principiantes, esta iniciativa responde às necessidades e tendências atuais nesta área.

A leitora do DAAD Reseda Streb (UFC) também participou deste evento, explicando a iniciativa DHoch3, que tem uma estrutura semelhante à de um livro didático em plataforma online com possibilidade de materiais complementares para ensinar, literatura científica adicional e muito mais. Esta iniciativa promove a formação gratuita de professores para poderem utilizar a plataforma para o ensino de alemão.

Sob o título “Alemão para fins acadêmicos” o professor Ebak Bolacio Fliho (UFF) introduz um curso, cujo objetivo principal é preparar os alunos para o cotidiano universitário e as tradições acadêmicas na Alemanha, pois muitas vezes há falta de conhecimento sobre esses temas, apesar da grande interesse na Alemanha como um lugar acadêmico. O trabalho contou com o apoio e colaboração de professores do DAAD, para desenvolver o curso em conjunto, desenvolvendo e selecionando diferentes materiais, enfatizando sobretudo estratégias de leitura e escrita para fins acadêmicos, mas ao mesmo tempo preparando os alunos para o encontro intercultural.

O dia 24 teve um encerramento festivo com o convite da professora Catarina Portinho Nalauck (UFPR) para a colação de Grau da segunda licenciatura em Letras do Alemão do projeto PARFOR.

 No dia 25 de outubro aconteceu a apresentação da rede Anfides Línguas Sem Fronteiras. Denise Abreu e Lima (UFSCAR) e Thago Mariano (UFPR) apresentaram os componentes curriculares desses cursos, ressaltando a importância de que “a internacionalização só é possível com apoio e base de línguas estrangeiras”. A seguir, os alunos Mariana Ceyimbra Bouscheid e Antionio Paulo Steffen Neto da UFPR apresentaram suas experiências de participação nos cursos do IsF, analisando áreas de crescimento e fortalezas dos cursos.

O simpósio foi encerrado com sucesso, com duas oficinas de desenvolvimento de material didático para o ensino de alemão no contexto universitário brasileiro com Dörthe Uphoff (USP) e Polaina Arantes (UERJ), nas quais o público teve a oportunidade de ter mais prática sobre o processo de fazer material, acompanhado de reflexão crítica e vários aspectos a considerar na hora de fazer material.

Dessa forma, o simpósio expressou a necessidade da elaboração de materiais que melhor atendam as necessidades dos alunos no contexto brasileiro, tanto nas escolas quanto no nível universitário, que levem em conta a diversidade linguística e cultural, a reflexão crítica prepare melhor caminho para estudantes para intercâmbios com outras culturas e línguas.

Centro Austríaco lança material sobre Thomas Bernhard

O Centro Austríaco lança um novo material sobre a obra de Thomas Bernhard no Brasil. A pesquisa foi feita pela aluna de Iniciação Científica Helena Nazareno Maia e conta com trechos traduzidos da obra do escritor austríaco, assim como um levantamento das obras do autor publicadas no Brasil e sua recepção em ambientes acadêmicos e midiáticos. Veja o material aqui.

Dramaturgo, romancista e ensaísta, Thomas Bernhard ficou conhecido como uma espécie de destruidor na literatura austríaca, pela voz dura e sempre pessimista, carregada de hipérboles violentas e estruturas repetitivas – certas vezes, de efeito cômico – que emulam a estrutura de obsessões e não deixam espaço para qualquer perspectiva redentora do mundo. Na obra bernhardiana, o diálogo íntimo com os problemas da nação chegou cedo, desde a publicação de seu primeiro trabalho em prosa, o romance “anti-patriótico” ou “anti-pátria” (Anti-Heimat-RomanGeada [Frost] de 1963. A ele se seguiriam anos de intensa produção literária, marcados por constantes controversas com a crítica e o público.

A publicação faz parte de um projeto do Centro Austríaco de divulgar e traduzir (integralmente ou pelo menos em parte) textos dramáticos de língua alemã. Nosso objetivo é apresentar dramaturgos (sobretudo) do teatro austríaco (modernos e contemporâneos), com a disponibilização de informações relevantes a respeito de suas vidas e em especial de suas obras dramatúrgicas. Saiba mais sobre o projeto aqui e conheça o material já publicado sobre Wolfgang Bauer aqui.

Evento online “Was war los in Wien?”

A 3º edição da série Deutsch Vernetzt de 2022, intitulado “Was war los in Wien?”, será realizado online na sexta-feira, dia 21 de outubro, das 14 às 17 horas. O evento é uma oportunidade para conhecer mais de 20 trabalhos que professores e docentes de todo o Brasil apresentaram durante o Congresso Internacional de Professoras e Professores de Alemão (IDT) em Viena. Ruth Bohunovsky, coordenadora do Centro Austríaco, apresenta uma fala intitulada “Dach-Lehren und -Lernen in zielsprachenfernen Ländern auf Anfängerniveau” sobre o projeto acadêmico da Universidade Federal do Paraná que realiza a elaboração de materiais didáticos para o ensino a partir do princípio DACH, e Alessandra Freitas, participante do centro, fala sobre a tematização de Conchita Wurst na produção de material didático em sua apresentação intitulada “Conchita Wurst kommt zum DaFUnterricht”.

Nesse evento, vocês podem assistir de graça algumas das apresentações que foram feitas durante o Congresso Internacional de Professoras e Professores de Alemão que aconteceu em Viena, em agosto deste ano. Uma ótima oportunidade para quem tiver interesse em participar do próximo congresso, que acontecerá em 2025 em Lübeck.

Para acessar a programação completa do evento clique aqui e para fazer a inscrição acesse o link aqui.